Estapedectomia – Avanços na cirurgia da Otosclerose

No universo da perda auditiva e da reabilitação auditiva, poucas vezes nos vemos diante da chance de curar a surdez. A estapedectomia é uma dessas exceções. Seu sucesso costuma ser fonte de felicidade para pacientes e cirurgiões.

O que é a Estapedectomia?

A estapedectomia é a cirurgia indicada para tratamento de muitos casos de otosclerose. No procedimento, nós removemos parte ou todo o estribo (o menor dos ossículos da audição) e o substituímos por uma mini prótese, normalmente feita de Teflon ou Titânio.

Quando ela está indicada?

A estepedectomia (ou estapedotomia) está indicada nos casos de otosclerose (ou otospongiose) acometendo o estribo. Vale dizer que quando a cóclea é acometida plea doença, pode surgir uma surdez sensorioneural, por lesão das células ciliadas. Nesses casos – mais raros – a estapedectomia não está indicada.

Como me preparar para cirurgia?

Planeje-se para a sua recuperação após a cirurgia. Você precisará de tempo para descansar e não poderá fazer tarefas que demandem força ou agilidade.

Tente contar com a ajuda de alguém nos primeiro 3-7 dias. Na noite anterior a cirurgia, procure comer algo leve e faça jejum de 8 horas de antecedência em relação ao horário agendado para sua cirurgia.

O que acontece durante o procedimento?

(Avanços técnicos)

Após ser realizada a anestesia, nós abrimos o tímpano e, sob visão de um microscópio, exploramos a cavidade do ouvido médio em busca do foco de otosclerose e da confirmação de que o estribo está sendo afetado. Uma vez confirmada a otosclerose, removemos parte do estribo e o substituímos por uma prótese. Ao final, o tímpano é reposicionado e tamponado com um curativo absorvível para propiciar sua cicatrização.

Nos últimos anos, temos utilizado os endoscópios, além do microscópio, o que nos fornece uma visão ampliada das estruturas anatômicas envolvidas na cirurgia. Toda novidade técnica costuma vir envolta em muita controvérsia, como o caso da atual discussão entre cirurgiões sobre a melhor ferramenta de visão para a estapedectomia e demais cirurgias da orelha média. Nossa equipe vem usando o endoscópio de maneira complementar, aplicando uma abordagem híbrida, obtendo o melhor que cada uma das ferramentas – endoscópio e microscópio – podem oferecer. Em 2015 tive a oportunidade de apresentar a filosofia da abordagem híbrida em dois congressos internacionais de cirurgia endoscópica do ouvido, em Dubai e em Nice. Para os interessados, segue abaixo o vídeo de uma estapedectomia endoscópica.

Como é a recuperação da cirurgia?

Provavelmente você permanecerá descansando no hospital por 12 a 24 hrs após a cirurgia. Quando acontecem, os sintomas indesejados mais comuns são enjôo, tonteira e desequilíbrio. Nesses casos lançamos mão de medicações requerer medicação específica. Alguns pacientes podem experimentar algum zumbido nas primeiras horas ou dias. Entretanto, na maioria dos casos a recuperação da cirurgia é muito tranquilo, ou mesmo assintomática.

Indicamos repouso em casa por cerca de uma semana enquanto o tímpano se cicatriza.

Quais são os benefícios da cirurgia?

A audição melhora rapidamente em 95% dos casos, permitindo a muitos pacientes que voltem a desempenhar normalmente suas atividades sociais, de trabalho, e estudo.

Quais são os riscos?

> Após a operação, alguns pacientes podem se sentir um pouco tontos ou enjoados. >Quando um nervo que ajuda no paladar (corda do tímpano) é afetado dentro do ouvido, você pode sentir um gosto metálico na borda lateral da língua que melhora espontaneamente em 95% dos casos em até 6 meses. > A audição pode não melhorar (+-2% dos casos). > Raramente pode haver infecção ou sangramento. > A prótese pode sair do lugar, sendo necessário uma nova cirurgia para sua recolocação. > Ainda mais raramente (- de 1% dos casos), a audição pode piorar.

Fonte: Portal Otorrino

Veja Também

Referência em Otorrinolaringologia


Menu