“Eu virei a cabeça para o lado e tudo girou. Parecia estar numa roda gigante. Eu me segurei no guarda-roupa e só assim consegui sentar na cama. Demorou um bom tempo para melhorar. Nos dias seguintes, tudo de novo. Eu fiquei preocupado, fui ao médico, fiz os exames, e ele me disse o que tinha.” Antônio Costa – Autônomo – Brasília/DF O relato acima descreve um quadro de tontura e vertigem, e o diagnóstico que o autônomo recebeu foi de labirintopatia. Você já ouviu falar nesta doença, já sentiu ou conhece alguém que passou por isso? Provavelmente, a sua resposta será sim para pelo menos uma das perguntas, afinal essa patologia atinge milhões de pessoas. A tontura caracteriza-se pela sensação de movimento do ambiente combinada com desequilíbrio, enjoos e até vômitos. A vertigem é um tipo de tontura que leva à ilusão de que tudo gira e provoca a perda do equilíbrio. As duas são os principais sintomas da labirintopatia. E por que isso acontece? O problema começa no ouvido interno onde está o labirinto, órgão responsável também pelo equilíbrio. Nele, há líquidos que, quando se mexem, transmitem informações ao cérebro quanto ao posicionamento e estado do corpo (vertical, horizontal, parado ou em movimento). Se há alguma interferência no processo, há envio errado de dados. É o caso da labirintopatia, uma inflamação no labirinto provocada por diversos fatores. Entre eles: infecções virais e bacterianas, diabetes, hipertensão, traumas, lesões, problemas de origem psíquica e emocional. A estrutura “adoecida” tem comprometida a comunicação com a área cerebral. Daí os sintomas: vertigem, tontura, zumbido, chiado, dor de cabeça, alterações na audição, presença de líquidos e secreções no canal auditivo e outros. A duração e a intensidade variam de pessoa para pessoa. Em geral, os sintomas surgem e desaparecem de forma repentina. No início, a tendência é achar que se trata de algo sem gravidade. Isso é um perigo, porque as crises não têm lugar nem hora para ocorrer. Podem surgir no trânsito, durante a jornada de trabalho, ao longo de um passeio, em um elevador, ao subir uma escada etc. O correto é procurar o otorrinolaringologista logo após a primeira ocorrência. Com base nos exames físico e complementares, ele poderá afastar ou confirmar a suspeita da doença. Na segunda situação, inicia-se o tratamento o quanto antes, normalmente com medicamentos, para aliviar os sintomas e evitar riscos ao paciente.

Saiba mais sobre a Clínica Otorrino Center

A Clínica Otorrino Center foi formada com o objetivo de fornecer ao paciente um atendimento personalizado e de qualidade. A Clínica vem aumentando sua área de atuação, por meio de profissionais qualificados, com o intuito de realizar uma medicina preventiva e resolutiva. Desde 2010, mais uma unidade foi inaugurada, a do Hospital Santa Helena, oferecendo pronto atendimento e suporte de emergência ao paciente, e em 2012 foi inaugurada a sede, mais moderna, ampla e confortável, no Edifício Jaime Leal, agregando novos exames e profissionais, com atendimento humanizado e personalizado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Menu