Cerca de uma em cada dez crianças ronca quase todas as noites. Metade delas pode sofrer da síndrome da apneia obstrutiva do sono (SAOS), doença que traz enorme prejuízo para o coração, o crescimento e o desenvolvimento cognitivo e emocional da criança. Algumas sequelas decorrentes desses prejuízos podem se arrastar durante anos. A apneia também é fonte de muito estresse para os pais, sem conseguirem dormir direito, assustados com a dificuldade dos seus filhos em respirar à noite. Aqui vão 10 sinais de que o ronco na criança pode estar relacionado a algo mais sério e deve ser investigado.

1. Suor excessivo a noite. Causado pela hiperatividade do sistema nervoso simpático durante o sono desregulado pela falta de oxigênio. 2. O esforço exagerado para respirar pode causar a retração (entrada) das costelas durante a inspiração. 3. Dormir com a cabeça estendida – ou esticada trás – pode ser uma maneira de manter a via aérea aberta, evitando a apneia. 4. Dor de cabeça pela manhã é um sinal da baixa oxigenação sanguínea e dos tecidos durante a noite 5. Xixi na cama. Crianças com apneia do sono apresentam com maior frequência a enurese noturna causada pelo descontrole dos hormônios que regulam a produção de urina. 6. Agitação e comprometimento da atenção na escola. Muitas crianças diagnosticadas erroneamente como portadoras de TDAH (transtorno do déficit de atenção e hiperatividade), podem ser vítimas da apneia do sono 7. Sonambulismo e terror noturno 8. Todas as crianças portadoras de hipertensão arterial devem ser investigadas quanto a possibilidade de apneia do sono 9. A Síndrome de Down aumenta muito o risco da ocorrência da apneia o que pode prejudicar ainda mais o desenvolvimento a saúde física e mental dessas crianças. 10. 30% das crianças obesas sofrem apneia do sono, o que aumenta o risco de outras doenças metabólicas e dificulta o combate da própria obesidade.

As crianças que roncam com frequência e que apresentam um ou mais dos sinais acima correm risco de serem portadores da apneia do sono. Se o seu filho apresenta algo parecido, procure atendimento médico.

Fonte: Portal Otorrino

Menu