É comum as pessoas confundirem as sensações de vertigem e tontura, mas saiba que são diferentes. A vertigem é um tipo de tontura, geralmente associada a um movimento rotatório. A pessoa sente como se o mundo estivesse girando. A causa mais frequente são problemas no labirinto, que é uma parte do ouvido interno associada à audição e ao equilíbrio.

Quando esses sintomas aparecem, é importante procurar um médico. E, neste caso, o profissional mais indicado é o otorrinolaringologista. “Muitas vezes, junto com a vertigem, os pacientes sentem problemas como náuseas, zumbidos e sensação de surdez, mas só o médico pode fazer o diagnóstico e prescrever o tratamento mais adequado”, explica o Dr. Jessé Lima Júnior, médico otorrinolaringologista.

Foi só depois de procurar um otorrinolaringologista, que a farmacêutica Socorro Arruda descobriu a causa das vertigens que a incomodavam muito. “Sentia tudo girando, principalmente quando deitava, levantava ou fazia algum movimento brusco”, conta ela. Descobriu que tinha labirintite.

A labirintite é uma infecção grave no labirinto e, embora seja a complicação mais conhecida das pessoas, é apenas um dos problemas que atingem o labirinto. Existem inúmeras outras causas que afetam esta região do ouvido e, consequentemente, o equilíbrio.

Outro problema bastante comum é a vertigem postural paroxística benigna (VPPB) – pequenas calcificações dentro do ouvido. Pode ser provocada por quedas, pancadas ou sem nenhuma causa aparente. Neste caso, a vertigem aparece principalmente quando se muda a posição da cabeça.

A doença de Meniére é outra afecção do labirinto, caracterizada pelo excesso de líquido no ouvido. Costuma ter origem em outras doenças ou pode ser causada pelo estresse. O paciente também costuma sentir problemas de audição, zumbido, além de náuseas e vômitos. O incômodo pode ser tão forte a ponto de deixar a pessoa incapaz de se movimentar. A vertigem ainda pode estar relacionada a neurinomas ou scheanomas, tumores que não podem ser ignorados.

Em qualquer dos casos, a sensação de vertigem, mal estar e zumbido pode durar poucos segundos ou persistir por bastante tempo. Pode deixar o paciente de cama, sem conseguir trabalhar ou fazer atividades diárias. Mas calma! Os problemas de labirinto têm, sim, tratamento.

O tratamento pode ir desde antibiótico e drogas que suprimem tonturas e náuseas a injeções de corticoide no próprio ouvido. Apenas o médico otorrinolaringologista pode definir a melhor opção. Dois outros aspectos são importantes: cuidar da saúde psíquica e emocional, já que o estresse pode desencadear problemas no labirinto, e também ter uma alimentação saudável. O ideal é preferir alimentos leves e evitar açúcares e bebidas gasosas.

Segundo o Dr. Jessé, o primeiro passo para se livrar dos problemas do labirinto é identificar os motivos para, então, tratar o distúrbio, seja com remédio, exercício ou, em casos extremos, cirurgicamente. Se não for tratada, a doença pode até se tornar crônica e impor limitações para o paciente.

Por recomendação médica, Socorro Arruda teve que abrir mão de comer chocolate e tomar bebidas ricas em cafeína, como café e refrigerante. Também passou a ter mais cautela ao se movimentar e tomar medicação. Agora, já começa a se sentir bem melhor.

Menu